Categories
Shows e eventos

Show-tributo a Dolores Duran reúne 20 artistas e vira especial de dois anos no canal “Rodrigo Faour Oficial”, do YouTube

Gravado no dia 17 de julho de 2017, o show “Uma tarde para Dolores Duran e família” reuniu no grande palco do o Imperator, no Méier, Zona Norte carioca, um super elenco de 20 intérpretes e seis músicos convidados. Idealizado, roteirizado e apresentado por mim, este espetáculo foi criado no intuito de angariar fundos para sua filha (adotiva) única, Maria Fernanda. O resultado não poderia ter sido melhor, apresentando tanto as grandes composições imortais de Dolores, quanto números nacionais e estrangeiros de seu repertório de grande cantora da noite que foi, entre 1949 e 59, quando faleceu aos 29 anos.
Uma tarde para Dolores Duran e Família - direção: Rodrigo Faour

Aberto pela grande cantora da noite carioca, a veterana Áurea Martins, o show trouxe ainda cantoras da Era do Rádio (Dóris Monteiro, Lana Bittencourt, Ellen de Lima, Luciene Franco), o rei do sambalanço (João Roberto Kelly), a embaixatriz da bossa nova Leny Andrade (acompanhada do pianista Gilson Peranzzetta), familiares (Denise Duran e Izzy Gordon, respectivamente, irmã e sobrinha de Dolores), artistas da nova geração (Chico Chico, filho de Càssia Eller, Júlio Estrela e Ana Costa), atores-cantores (Gottsha, Cláudio Lins, Soraya Ravenle e as eternas Frenéticas Dhu Moraes e Sandra Pêra), além das presenças especialíssimas de Zezé Motta e Ney Matogrosso. Finalmente houve depoimentos de Eloá Dias (uma das melhores amigas de Dolores) e Maria Fernanda (filha da artista, a quem este show beneficente foi dedicado).

Uma tarde para Dolores Duran e família - direção: Rodrigo Faour
Cláudio Lins, Leny Andrade, Ellen de Lima, Luciene Franco, Ney Matogrosso, Dóris Monteiro, Dhu Moraes (Frenéticas)

Com direção musical e arranjos do tecladista Heberth Souza, e arranjos adicionais do violonista Gabriel Gonzaga, e contou ainda com os músicos Evelyne Garcia (teclados/ acordeon), Rodrigo Serra (bateria),  Tássio Ramos (baixo) e Dudu Oliveira (sax tenor/ flauta), e a participação de Mirabeaux (guitarra).

O show foi registrado em vídeo e exibido na íntegra em 21 partes no canal www.youtube.com/rodrigofaouroficial comemorando os dois anos do programa “MPB com tudo dentro”.

Uma tarde para Dolores Duran - direção: Rodrigo Faour
Ney Matogrosso, Dóris Monteiro, Dhu Moraes (Frenéticas), Zezé Motta, Sandra Pêra (Frenéticas) e Lana Bittencourt
Uma tarde para Dolores Duran - direção: Rodrigo Faour
Izzy Gordon, João Roberto Kelly, Áurea Martins, Ana Costa, Rodrigo Faour (apresentador) e Gottsha
Uma tarde para Dolores Duran e família - direção: Rodrigo Faour
Júlio Estrela, Gilson Peranzzetta (de lado), Cláudio Lins, Leny Andrade, Luciene Franco, Ellen de Lima, Ney Matogrosso, Dóris Monteiro e Dhu Moraes (Frenéticas)

No repertório, clássicos autorais de Dolores Duran, como “A noite do meu bem”, “Castigo”, “Solidão”, “Fim de caso”, “Não me culpe”,  “Leva-me contigo”, parcerias com J. Ribamar (“Pela rua”, “Ternura antiga”, “O que é que eu faço”), outras menos conhecidas, como “Minha toada” (dela com Edson França) e “Ideias erradas” (outra dela com Ribamar), parcerias com Tom Jobim (“Estrada do sol”, “Se é por falta de adeus, “Por causa de você”) e também canções que ela imortalizou como intérprete, como o samba-canção “Manias” (Celso e Flávio Cavalcanti), a toada “Na asa do vento” (João do Vale/ Luiz Vieira), os standards americanos “My funny Valentine” e “Over the rainbow”, a rumba cubana “Ave Maria Lola” e ainda sambalanços do ex-namorado Billy Blanco (“Estatuto de boite” e “A banca do distinto”) e finalmente “Boato”, única que não gravou, pois não teve tempo. É de 1960, um ano após seu falecimento. Porém se viva fosse, certamente gravaria. Foi incluída para homenagear seu autor, João Roberto Kelly, um dos estilizadores do gênero sambalanço, presente no show.

Uma tarde para Dolores Duran e Família - Direção: Rodrigo Faour
Ney Matogrosso, Dóris Monteiro, Ana costa, Luciene Franco, Zezé Motta, Sandra Pêra, Dhu Moraes, Áurea Martins, Gottsha, Mirabeaux (guitarrista), Gilson Peranzzetta, Ellen de Lima, Cláudio Lins, Lana Bittencourt, Leny Andrade, Cláudio Lins e Rodrigo Faour
Uma tarde para Dolores Duran e família - Direção: Rodrigo Faour
Ellen de Lima, Luciene Franco, Zezé Motta, Sandra Pêra, Àurea Martins, Dhu Moraes, Lana Bittencourt, Rodrigo Faour, Gottsha, Dóris Monteiro, Ana Costa e Cláudio Lins
Uma tarde para Dolores Duran e família - direção: Rodrigo Faour
Júlio Estrela, Cláudio Lins, Ana Costa, Áurea Martins, Chico Chico (Chicão) e Soraya Ravenle no camarim do Imperator
Uma tarde para Dolores Duran e família - Direção: Rodrigo Faour
Rodrigo Faour (de azul) com a ex-atriz, manequim e melhor amiga de Dolores, Eloá Dias (de echarpe) com a família de Dolores Duran, incluindo a filha Maria Fernanda (de creme), Denise Duran (irmã) e Izzy Gordon (sobrinha, ao lado de Faour)
Uma tarde para Dolores Duran e família - direção: Rodrigo Faour
Gilson Peranzzetta, João Roberto Kelly, Leny Andrade e Rodrigo Faour

(fotos: Marcelo Castello Branco)

TRAILERS DO SHOW, CUJOS NÚMEROS MUSICAIS NA ÍNTEGRA ESTÃO NO CANAL 

www.youtube.com/rodrigofaouroficial

Uma tarde para Dolores Duran e família – Trailer 1

Uma tarde para Dolores Duran e família – Trailer 2

Uma tarde para Dolores Duran e família – Trailer 3

Uma tarde para Dolores Duran e família – Trailer 4

Categories
Televisão

3ª temporada do História sexual da MPB se encerra neste domingo, dia 4/8, com As Frenéticas

Amigos, o que é bom dura pouco. Foi um prazer ter tantos entrevistados ilustres nesta temporada do meu programa História sexual da MPB, no Canal Brasil. E neste domingo, dia 4/8/2013, às 21h, terei a meu lado Dhu Moraes, Leiloca, Lidoka e Sandra Pêra, quatro das seis integrantes originais do grupo As Frenéticas, que nos anos 70 e início dos 80, fizeram história com suas canções irreverentes e transgressoras. Tudo a ver com o desbunde comportamental daqueles tempos.

Frenéticas Lidoka, Faour, Sandra Pêra e Dhu Moraes
Lidoka, Rodrigo Faour, Sandra Pêra e Dhu Moraes nos bastidores do programa “História sexual da MPB”
Leiloca, Rodrigo Faour e Dhu Moraes (Frenéticas)
Leiloca, Rodrigo Faour e Dhu Moraes: momentos frenéticos

Quero agradecer também o carinho de Leny Andrade, João Bosco e Zezé Motta, meus entrevistados anteriores, que “abrilhantaram” meu programa “História sexual da MPB”.

o pianista João Carlos Coutinho e LENY ANDRADE com Rodrigo Faour
O pianista João Carlos Coutinho, ao fundo, e Leny Andrade, com Rodrigo Faour no programa “História sexual da MPB”
Rodrigo Faour e João Bosco
Rodrigo Faour e João Bosco no Studio RJ, onde gravaram o programa “História Sexual da MPB”
Rodrigo Faour e Zezé Motta no programa História sexual da MPB, Canal Brasil
Rodrigo Faour se divertindo com sua entrevistada, Zezé Motta, em seu programa no Canal Brasil

 

Categories
Opinião de Faour

Uma noite com Zezé Motta, Edy Star e amigos queridos

Edy Star, com Zezé Motta, recebendo o II Trofeu Sexo MPB, de Rodrigo Faour
Edy Star, com Zezé Motta, recebendo o II Trofeu Sexo MPB, de Rodrigo Faour

É muito bom poder estar com pessoas talentosas, inteligentes e com opinião própria, e ainda por cima divertidas. Ontem recebi amigos de várias fases da minha vida e contei com as presenças adoráveis de Zezé Motta – que não pôde ir à festa de entrega do II Trofeu Sexo MPB no mês passado por motivo de força maior, e que, então, o recebeu ontem – e de Edy Star, irreverente performer, ator, cantor e diretor, que nos encantou com suas histórias e piadas maravilhosas, vivenciadas em seus inacreditáveis 72 anos. Viver vale a pena por momentos preciosos como este.

Faour, Zezé Motta (com o Trofeu Sexo MPB) e os amigos Ricardo Grifo e Fernando Assumpção
Edy Star (ao centro), entre Rodrigo Faour, André, Richard, Grifo e Fernando