Categories
Shows e eventos

A antológica festa-show de entrega do III Troféu Sexo MPB, pela primeira vez em São Paulo, arrebata a platéia do Tom Jazz

Rodrigo Faour, entre Maria Alcina e Gaby Amarantos
Rodrigo Faour, entre Maria Alcina e a diva do tecnobrega paraense, GabyAmarantos

Foi um tour de force, mas deu tudo certo na III Festa-show de entrega do Troféu Sexo MPB em São Paulo, no charmoso Tom Jazz! Graças à ajuda de uma excelente equipe de 20 pessoas com comovente dedicação integral ao projeto, consegui realizar mais um grande sonho da minha vida – o de reunir num mesmo palco talentosos artistas de várias tendências e gerações da MPB, trocando ideias e influências, interagindo de maneira que nem eu poderia imaginar. Ao final o público parecia hipnotizado por ver tanta qualidade e ecletismo numa mesma noite.

ENCONTRO HISTÓRICO - Rodrigo Faour entrega o Troféu Sexo MPB aos veteranos por seus 60 anos de carreira - Cauby Peixoto, Inezita Barroso e Angela Maria. Os três começaram a gravar em 1951.

O slogan deste ano, “Por uma MPB com mais tesão”, não poderia ser mais apropriado. Foi uma noite memorável com a presença dos jovens (o rapper Flávio Renegado, a musa do tencobrega paraense Gaby Amarantos, o sambista pop Paulo Padilha e a roqueira Marília Bessy), tarimbados artistas que esbanjam teatralidade como Maria AlcinaEdy StarVanusa e Tetê Espíndola, a bossa sexy de Claudette Soares e os super veteranos – todos completando 60 anos de carreira em gravações neste ano de 2011, Angela Maria,Cauby Peixoto e Inezita Barroso.

Claudette Soares canta com o jovem sambista pop Paulo Padilha a bossa "Meu esquema", sucesso do Mundo Livre S.A.

Quero destacar a presença luxuosa dos músicos (Gustavo Souza, na bateria, Ricardo Prado, nos teclados, Marcelo Monteiro, no sax, André Bedurê, no baixo, liderados pelo guitarrista e diretor musical Rovilson Pascoal), a participação do DJ Plínio Ferreira, a cenografia e concepção visual de David Schumaker, a iluminação de Silviane Ticher, o som de Zé Luís, a gravação do áudio de Gabriel Spazziani e a turma de seis câmeras e dois assistentes dirigidos por Rodolfo Gomes. A festa foi gravada para sair em DVD. A do ano passado está a venda com o título de “Sexo MPB – o show”, pela EMI Music.

Maria Alcina presta tributo à Virgínia Lane e dança com Faour: "Empurra a carrocinha que a pipoca tá quentinha"

Eis a relação dos premiados e suas categorias:

Cauby Peixoto – Hors concours

Angela Maria – Diva atemporal

Inezita Barroso – Veterana sapeca

Vanusa – Diva loura bombshell reincidente

Tetê Espíndola – Passarinho sexy na garganta

Gaby Amarantos – Leoa sexy

Flávio Renegado – Black is beautiful

Marília Bessy – Revelação sexy

Paulo Padilha – Samba sexy

Maria Alcina – Tropicalista abusada

Edy Star – Divo múltiplo

Claudette Soares – Bossa sexy

Vanusa canta "Era um garoto que como eu..." na Festa do III Troféu Sexo MPB
Marília Bessy e Flávio Renegado: "Hora de união"
Angela Maria e Tetê Espíndola: um dos encontros inéditos da noite
Maria Alcina e Edy Star homenageiam Assis Valente

 

Vejam a relação completa das fotos (clicadas por Jardiel Carvalho) desta noite no link abaixo:

Algumas matérias de imprensa
“Inezita suave na nave”, de Pedro Alexandre Sanches
“Muito prazer, eu sou a MPB”, de Branca Nunes (Veja On Line)
http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/feira-livre/muito-prazer-eu-sou-a-mpb
Coluna de Monica Bergamo, Folha de S. Paulo, dia 1/12/2011
Nota na coluna de Ancelmo Góis, jornal O Globo, 18/11/2011
Nota na coluna Gente Boa, de Joaquim Ferreira dos Santos, Jornal O Globo, 25/11/2011
Nota na coluna Sonar, Jornal O Globo, 29/11/2011
Categories
Coletâneas

O Melhor da MPB – Série "Maxximum"

O Melhor da MPB – Série “Maxximum” (SonyBMG, 2006)

A sigla MPB é muito vasta. Hoje em dia ela congrega canção, valsa, choro, samba, forró, pop/rock, regionalismos em geral, enfim, tudo isso é música popular feita no Brasil. Esta coletânea tentar dar uma geral neste tamanho ecletismo, trazendo ícones de várias de suas vertentes, incluindo algumas raridades, tais como a gravação original de Sabiá, com Cynara e Cybele, o registro de Andança, feito por seu co-autor Danilo Caymmi (com Vânia), ambos de 1968. Há ainda a latinidade-pop da cantora/atriz Tânia Alves na salsa Tanta saudade, de Djavan e Chico Buarque. Rodrigo Faour

1 Anos dourados (Tom Jobim/ Chico Buarque) – Maria Bethânia (1986)
2 Tanta saudade (Djavan/ Chico Buarque) – Tânia Alves (1985) (*)
3 Amor covarde (Alceu Valença) – Alceu Valença (1986)
4 Tema de amor de Gabriela (Tom Jobim) – Gal Costa e Tom Jobim (1983)
5 Manias (Flávio Cavalcanti/ Celso Cavalcanti) – Alcione (1995)
6 Futuros amantes (Chico Buarque) – Chico Buarque (1993)
7 Promessa de Gantois (Mateus/ Dadinho) – Os Tincoãs (1976) (*)
8 Treze de dezembro (Luiz Gonzaga/ Zé Dantas/ Gilberto Gil) – Elba Ramalho (1996)
9 Bebadosamba (Paulinho da Viola) – Paulinho da Viola (1996)
10 O ronco da cuíca (João Bosco/ Aldir Blanc) – João Bosco (1976)
11 Andança (Edmundo Souto/ Danilo Caymmi/ Paulinho Tapajós) – Danilo Caymmi e Vânia (1968) (*)
12 Sabiá (Tom Jobim/ Chico Buarque) – Cynara e Cybele (1968) (*)
13 Paralelas (Belchior) – Vanusa (1975)
14 Maré mansa (Martinho da Vila/ Paulinho da Viola) – Eliana Pittman (1974) (*)
15 Otália da Bahia (Antonio Carlos/ Jocafi) – Maria Creuza (1977)
16 Águas de março (Tom Jobim) – Zé Ramalho e Tetê Espíndola (2003)

(*) raridades

Pesquisa de repertório: Rodrigo Faour
Coordenação da série: Flávio Pinheiro e Marcus Fabrício