Categories
Coletâneas

Romântico e Popular – "Série Maxximum"

Romântico e popular – Série “Maxximum” (SonyBMG, 2006)

Ninguém resiste a um bom brega. Mesmo quem não assume. Aliás, é comum ouvir cantoras chiques de MPB dizerem que ouviram tal música no rádio da empregada para justificarem a regravação de um bregão daqueles! Nesta coletânea há um passeio pelos hits mais populares que invadiram nossas rádios desde o final dos anos 60 até os 80. Clássicos de Jane & Herondy, Odair José e Kátia convivem com raridades de Antonio Marcos, Wilson Miranda e Carmen Silva. Destaque ainda para Perla, com Vete, yo te esperaré, versão em espanhol do hit Vá, mas volte, de Wando, que foi sucesso na voz de Ângela Maria em 76. Rodrigo Faour

1 Não se vá (Tu t’en vas) (Alain Barrière/ versão: Thyna) – Jane e Herondy (1976)
2 Vou tirar você desse lugar (Odair José) – Odair José (1972) (*)
3 Stella (Fábio) – Fábio (1969) (*)
4 Venha ver o que restou de mim (Antonio Marcos) – Wilson Miranda (1969) (*)
5 Porque chora a tarde (Gabino Correa/ Antônio Marcos) – Antonio Marcos (1974) (*)
6 A namorada que sonhei (Osmar Navarro) – Nilton César (1969)
7 Seria tão diferente (Adelino Moreira/ Tonio Luna) – Carmen Silva (1981) (*)
8 Vete, yo te esperaré (Vá, mas volte) (Wando/ versão: Santiago Sam Malnati) – Perla (1977) (*)
9 Lembranças (Roberto & Erasmo Carlos) – Kátia (1979) (*)
10 Tranquei a vida (Ronnie Von/ Tony Osanah) – Ronnie Von (1977)
11 Sou rebelde (Manuel Alvarez Beigbeder Perez/ versão: Paulo Coelho) – Lilian (1978)
12 Chuvas de verão (Antonio José) – José Augusto (1987)
13 Apenas três minutos (Ivan/ Barros de Alencar) (1979) – Barros de Alencar (1975)
14 O telefone chora (Le telephone pleure) (Thomas/ François/ Bourtarye/ versão: Mourano) – Márcio José (1975)
15 Porque já não me mata de uma vez (Reginaldo Rossi) – Reginaldo Rossi (1970) (*)
16 Você é doida demais (Lindomar Castilho/ Ronaldo Adriano) – Lindomar Castilho (1974)

(*) raridades

Pesquisa de repertório: Rodrigo Faour
Coordenação da série: Flávio Pinheiro e Marcus Fabrício
Categories
Coletâneas

O Melhor do Forró – Série "Maxximum"

O Melhor do Forró – Série “Maxximum” (SonyBMG, 2005)

O Brasil é muito grande e quem é do sul pode não saber, mas em grande parte do Nordeste o forró é um gênero fortíssimo o ano inteiro. Neste CD, trazemos o melhor do forró-pé-de-serra, com seus maiores expoentes. Dos pioneiros Luiz Gonzaga, Carmélia Alves e Jackson do Pandeiro a Alceu Valença, Elba Ramalho, Fagner, Amelinha e Dominguinhos, além de outros que aderem ao gênero ocasionalmente, como Gal Costa, Alcione e até mesmo a romântica Carmen Silva, que se saiu muito bem na divertida O amor é um bichinho (“que rói, rói, rói”). Rodrigo Faour

1 Baião (Luiz Gonzaga/ Humberto Teixeira) – Alceu Valença (1994)
2 Só quero um xodó (Dominguinhos/ Anastácia) – Elba Ramalho e Dominguinhos (2005)
3 Pedras que cantam (Dominguinhos/ Fausto Nilo) – Fagner (1991)
4 O canto da ema (Alventino Cavalcante/ Ayres Vianna/ João do Vale) – João do Vale e Jackson do Pandeiro (1981)
5 Gemedeira (Roberto de Recife/ Capinan) – Amelinha (1980)
6 Pagode russo (Luiz Gonzaga/ João Silva) – Luiz Gonzaga (1984)
7 Tum, tum, tum (Cristóvão de Alencar/ Ary Monteiro) – Jackson do Pandeiro (1958)
8 Caldinho de mocotó (Nena/ Lacerda/ Drumont) – Genival Lacerda (1985)
9 Vem morena (Luiz Gonzaga/ Zé Dantas) – Fagner e Luiz Gonzaga (1987)
10 Cantiga do sapo (Buço do Pandeiro/ Jackson do Pandeiro) – Alceu Valença (1998)
11 Cabeça feita (Jackson do Pandeiro/ Sebastião Batista da Silva)/ Tililingo (Almira Castilho)/ Tem pouca diferença (Durval Vieira) – Gal Costa e Luiz Gonzaga (1984)
12 Forrofiar (Luiz Gonzaga/ João Silva) – Alcione e Luiz Gonzaga (1984)
13 Baião do bambolê (Antonio B. Silva/ Almira Castilha) – Jackson do Pandeiro (1959)
14 O amor é um bichinho (Edelson Moura/ Geraldo Nunes) – Carmen Silva (1984)
15 Dançador ruim (João Silva/ Zé Mocó) – Dominguinhos e Luiz Gonzaga (1986)
16 Lorota boa (ao vivo) (Luiz Gonzaga/ Humberto Teixeira) – Luiz Gonzaga & Carmélia Alves (1977)

Pesquisa de repertório: Rodrigo Faour
Coordenação da série: Flávio Pinheiro e Marcus Fabrício