Categories
Coletâneas Com textos assinados Discos Reedições

Nana Caymmi ganha caixa caprichada de 20 CDs produzida por Faour

É com muito orgulho que venho aqui divulgar a caixa “A dama da canção”, que produzi para a EMI Music, a convite do gerente de vendas da gravadora, Jorge Lopes. No conceito da caixa, achei interessante resgatar os cinco primeiros discos da cantora, gravados nas gravadoras Elenco, Trova (argentina), CID e RCA antes de a cantora assinar com a EMI-Odeon em 1979. O resultado é uma caixa com 18 álbuns de carreira, gravados entre 1965 e 2000, e mais o CD duplo “Eu sei que vou te amar… Nana Caymmi” com 41 faixas super selecionadas dentre todas as cerca de 130 avulsas que ela já registrou até hoje. O box inclui um libreto com uma mini-biografia e entrevistas especiais com a cantora e com seu irmão, Dori Caymmi, seu principal incentivador e arranjador de grande parte de seus discos.

Caixa de 20 CDS "A Dama da canção", produzida por Rodrigo Faour para a EMI Music

Matéria do Jornal O Globo
Matéria do jornal O Globo publicada em 25/12/2012

Matéria do jornal Folha de S. Paulo publicada em 6/01/2013

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1210027-caixa-com-19-discos-celebra-40-anos-de-carreira-de-nana-caymmi.shtml

6 replies on “Nana Caymmi ganha caixa caprichada de 20 CDs produzida por Faour”

Há alguns dias li esta matéria postada acima, porém estava muito ocupado e por isso resolvi não escrever nada precipitadamente. Possuo quase todos os CDs que estão contidos nesta caixa, mas terei que trocá-los por esta joia. O disco de 1977, lançado na RCA, sumiu do mercado faz tempo, assim como outros que por hora estão no box. Alguns de seus trabalhos realizados na EMI sempre vinham acoplados no esquema dois discos em um- eu odeio tal recurso utilizado pelas gravadoras. Agora sim, podemos desfrutar o repertório de uma artista que nunca se deixou levar pelo sucesso midiático e que, além do bom gosto em escolher o seu repertório, sempre trabalhou com excelentes músicos. Somado isso temos este brilhante lançamento organizado pelo nosso Midas, Rodrigo Faour. É luxo só.

O lançamento é excelente; ressalve-se o título: por que usar “dama” para uma cantora que demonstra tanto despojamento? Também não concordo com a inclusão de discos de outras gravadoras, além da EMI; se fosse para fazê-lo, deveria trazer, por exemplo, “O Mar e o Tempo”; saiu, depois, outro CD pela Universal Music… Detalhe: há, de 1992, um trabalho dela, “Academia Brasileira de Música/Vol. 8 – Brasil MPB”, projeto da Sony Music, que ninguém o citou até agora!

Oi Rodrigo, tudo bem?
Comprei o box da Nana, é um deslumbre total! Concordo plenamente com a inclusão de discos de outra gravadora dentro de um projeto desse, visto que tais gravadoras nunca relançam em CD alguns de seus títulos. Por exemplo, quando iríamos ter um “Água do Céu-Pássaro”, um “Bandido”, ou um “Feitiço” de Ney em CD? Provavelmente nunca. Se não fosse a sua iniciativa de incluí-los no box “Camaleão”, nem sei o que seria de nós. Nos seus próximos projetos de box, por favor, inclua o que puder.
Adorei o resgate de “As Sobrinhas” com Nana e Joyce, lembro que fazia parte da trilha de um episódio do Sítio do Picapau Amarelo tendo as impagáveis Bia Lessa e Cininha de Paula como as sobrinhas. Elas eram muito loucas, eu as amava. Voltei à minha adolescência. Fantástica a entrevista com Nana no livreto. Parabéns por tudo que você faz.
E que venha novos projetos para este ano!
Abraçaço!
José Alberto

Caro Faour, sou fan de Nana, tenho vários cds e lps, gostaria de saber as musicas do box, pois precisei da musica “deixe eu cantar”, e não encontrei na minha coleção e nem na internet. SDS

Oi Mário. Sim, esta música é do CD Nana (1988), que está neste box. Todos os discos solo da Nana estão neste box, menos o da série Academia Brasileira de Música da Sony Music. E ainda tem um CD de raridades com 41 faixas avulsas. Abraços, Rodrigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *