Categories
Coletâneas

Lana Bittencourt – Série "Maxximum"

Lana Bittencourt – Série “Maxximum” (SonyBMG, 2006)
Lana Bittencourt foi uma das vozes mais potentes, graciosas e afinadas da Era do rádio. Teatral e passional, sempre cantou um repertório repleto de pérolas da dor-de-cotovelo, sem esquecer dos gêneros mais festivos como o samba e o baião, mostrando versatilidade também ao interpretar vários números do cancioneiro internacional, cantados em inglês, francês, espanhol e italiano. Influenciada pela cantora ítalo-franco-alemã Caterina Valente, que interpretava também em vários idiomas, Lana era chamada justamente pelo prefixo de “A internacional”. Todo esse repertório foi gravado na antiga Columbia (atual SonyBMG) nos anos 50 e 60 e tem agora seus melhores momentos editados pela primeira vez em CD. Se as 13 primeiras faixas deste disco são inéditas em CD, as três últimas – Caminhemos, Rio de Janeiro e Ternura – jamais foram lançadas e chegam ao público pela primeira vez. Este volume da Maxximum contém ainda um texto biográfico sobre a cantora, em comemoração aos seus 50 anos de carreira. A diva merece! Rodrigo Faour

1 Malagueña (Ernesto Lecuona/ versão: Julio Nagib) (1955)
2 Johnny Guitar (Victor Young/ versão: Julio Nagib) (1955)
3 Andalucia (Ernesto Lecuona/ versão: Julio Nagib) (1955)
4 Zezé (Baião internacional) (Humberto Teixeira) (1956)
5 Quero-te assim (Tito Madi) (1959)
6 Além (do céu) (Edson Borges/ Sidney Morais) (1958)
7 Se alguém telefonar (Alcyr Pires Vermelho/ Jair Amorim) (1958)
8 Summertime (George Gerswhin/ Du Bose Heyward) (1958)
9 Little darlin’ (M. Williams) (1958)
10 Haja o que houver (Fernando César) (1957)
11 Longe é o céu (Tom Jobim) (1961)
12 Chorou, chorou (Luiz Antonio (1961)
13 Ave Maria (Jayme Redondo/ Vicente Paiva) (1957)
INÉDITAS
14 Caminhemos (Herivelto Martins) (1964)
15 Rio de Janeiro (Isto é o meu Brasil) (Ary Barroso) (1962)
16 Ternura (Lyrio Panicalli/ Amaral Gurgel) (1964)

OBS: Acompanha texto biográfico no encarte

Pesquisa de repertório: Rodrigo Faour
Coordenação da série: Flávio Pinheiro

Opinião da imprensa

Jornal do Brasil – Tárik de Souza

O Estado de S. Paulo – Lauro Lisboa Garcia

O Globo – Coluna Gente Boa – Joaquim Ferreira dos Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *